sábado, 6 de dezembro de 2014

Gaiola Aberta - Todos os Numeros


Mais uma fantástica revista humorística, com conteudos criados por José Vilhena...
É no facto de possuir um talento multifacetado que se baseia a capacidade de Vilhena em montar um one-man-show.

Para um número da Gaiola Aberta, por exemplo, Vilhena produzia humor em texto e imagem. O texto podia consistir (do mais longo ao mais curto) em ensaios sobre determinados temas, "notícias" ou textos afins com três ou quatro parágrafos, anedotas, ou ainda simples frases com conteúdo humorístico.

Existem ainda outros textos ocasionais que não são classificáveis em nenhum dos grupos anteriores (ver, por exemplo, ao lado, uma selecção do soberbo "Preto e Branco" publicado em Agosto de 1975).

As imagens utilizadas por Vilhena podem ter por base ilustrações do autor ou não.

Estas últimas podem ser constituídas por ilustrações propriamente ditas ou outros grafismos alheios (alterados ou não) a que o autor acrescenta uma legenda ou cartucho com texto (como no exemplo à direita, baseado numa gravura de finais do século XIX e publicado no Fala Barato).

Podem, ainda, ser constituídas por fotografias (do autor ou alheias) com texto, fotomontagens, ou outras manipulações diversas.

As ilustrações do autor (e desenvolvo apenas este ponto para frisar a variedade conseguida) podem servir apenas para complementar graficamente textos ou constituir cartoons de sátira política, anedotas desenhadas, diálogos, banda desenhada, caricatura, etc, etc...

O exemplo à direita, soberbo não só pela capacidade gráfica que evidencia mas também pela oportunidade e humor, foi capa da Gaiola Aberta em 1975.

Em relação ao texto, as páginas da Internet não são o melhor meio de exemplificação e os leitores interessados poderão dirigir-se à editora de José Vilhena (seguindo o apontador na página biográfica) onde poderão adquirir os números antigos das suas publicações (surpreendentemente quase todos estão ainda disponíveis).

Direi, no entanto, que (na minha opinião) os melhores textos de Vilhena se baseiam na ironia mordaz (tão comum, que quando o autor quer falar a sério tem que fazer chamadas dizendo que não está a brincar).

Um subconjunto destes textos são os de auto-vitimização, em que Vilhena é incontestável especialista. Por exemplo no nº29 do "Fala Barato" Vilhena começa assim o que chamou "Dossier Carolina" em que conta uma versão muito própria do processo judicial intentado contra si: "Aqui se conta a sórdida e verdadeira história de uma rica princesa do Mónaco que tentou extorquir as parcas economias a um pobre cidadão português que não tem onde cair morto". E, no interior: "A Princesa Golpista, ou de como Rainier III do Mónaco e sua filha D.Carolina, encontrando-se à rasca de massas, resolveram sacar uns centos de milhares de dólares a um país insolvente e crivado de dívidas e a um publicista e editor tecnicamente falido. Anda tudo ao mesmo!".

O aspecto mais polémico na obra de Vilhena é o da linguagem utilizada nos textos e o recurso àquilo que muitos classificariam como ilustrações pornográficas.
Antes do 25 de Abril as circunstâncias ditavam o comedimento, a utilização de termos dúbios, os floreados circunloquiais, os eufemismos,... mas nem por isso se deixava de conseguir dizer o que se pretendia e a elegância com que se tratavam temas que reconhecidamente não se prestavam a um tratamento elegante era, ela própria, parte do humor.

Após a Revolução, na Gaiola Aberta, os temas puderam ser mais ousados e a linguagem mais directa. Mas esse era o espírito da época e não há realmente na revista nada de particularmente chocante. No entanto, em 1980 e portanto durante a vida da Gaiola Aberta, Vilhena  experimentou, com a revista Vida Lisboeta, a utilização de uma linguagem muito mais pesada e ilustrações de cariz claramente pornográfico. Consciente de incorrer em riscos de erosão da sua imagem, nunca utilizou o nome "Vilhena" assinando "José Rodrigues". A publicação não vingou.

Apesar disso, e algo surpreendentemente, o Fala Barato foi cenário de um "alargamento" do léxico e essa liberalização foi evoluindo até à publicação, sobretudo n'O Moralista, de muitas das imagens "pesadas" que já tinham sido originalmente utilizadas na ilustração da Vida Lisboeta.
Recentemente parece ter havido uma inversão de marcha com a utilização em alguns números d'O Moralista de uma linguagem quase cândida e ilustrações mais ou menos a condizer.

José Vilhena afirmou, em entrevista à revista K, que a sua actividade como autor e publicista é um negócio puro e simples e, por isso, é natural que altere os parâmetros de acordo com o mercado-alvo que pretende atingir.

Texto: João Manuel Mimoso
Fonte: http://www.tabacaria.com.pt/JoseVilhena/humorismo/humorismo.htm


[1974 - 1978] - 1ª Série
001 002 003 004 005 006 007 008 009 010 011 012 013 014 015 016 017 018 019 020 021 022 023 024 025 026 027 028 029 030 031 032 033 034 035 036 037 038 039 040 041 042 043 044 045 046 047 048 049 050 051 052 053 054 055 056 057 058 059 060 061 062 063 064 065 066 067 068 069 070 071 072 073 074 075 076 077 078 079 080 081 082 083 084 085 086 087 088 089 090 091 092 093 094 095 096 097 098 099 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121


[2005-?] - 2ª Série
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30



0 Comentários :

Enviar um comentário

Olá amigo! Se gostaste deste POST, partilha e/ou deixa um pequeno comentário...não custa nada :) Também podes ajudar o Tralhas com os teus scans! Vê como nos podes ajudar >Aqui<.
Obrigado por nos visitares
Gizmo